Pereira Cristóvão refere-se a Bruno de Carvalho como o "Erdogan da Quinta das Conchas".

Paulo Pereira Cristóvão respondeu a Bruno de Carvalho.


O antigo vice-presidente do Sporting arrasou o atual presidente dos ´leões`, num comunicado emitido após Bruno de Carvalho mostrar um suposto email entre João Paiva dos Santos e Pedro Guerra, no qual também é visado Pereira Cristóvão.

Pereira Cristóvão refere-se a Bruno de Carvalho como o "Erdogan da Quinta das Conchas", chamou-o de "deslumbrado hipócrita" e de ter forjado o email.

Eis o comunicado de Paulo Pereira Cristóvão

1º Fui no dia de hoje confrontado com mais um post escrito na página do senhor Bruno Azevedo de Carvalho, onde, após anunciar em título que iria chamar "os bois pelos nomes" discorre uma teoria conspirativa sobre dois sócios do clube, um dos quais sou eu.

2º É unicamente nessa circunstância que publicamente dou resposta aquele empregado do meu clube do coração de há mais de quatro décadas e meia e sempre com quotas pagas, ao contrário do citado azevedo de carvalho.

Sobre o alegado mail que ali o senhor azevedo "denuncia", não tenho qualquer dúvida sobre a falsificação do mesmo mas para isso com certeza que o senhor Dr. João Paiva dos Santos, porque é o visado direto, dará a resposta que melhor achar adequada a um deslumbrado hipócrita que faz do Sporting a sua quinta e que encontrou neste emprego a resolução de muitos dos problemas financeiros mas, seguro que estou do que afirmo, a breve trecho encontrará o resultado do que tem andado a fazer em verões passados.

3º Na verdade, a sua "idoneidade" pessoal e profissional anteriores a este emprego já aconselhavam a cautelas redobradas, receios que se vieram a confirmar com os motivos que impuseram e impõem uma auditoria de gestão profunda. Não querendo antecipar o que aí vem fica a consciência tranquila de quem, ao contrário do senhor azevedo, nunca viveu às custas do Sporting ou se autoaumentou em mais de 10 vezes por mês em relação ao parco vencimento que auferia antes das funções para as quais foi eleito.

4º Fica também desde já assente que, pelo que lemos no tal post, resultam evidentes as razões pelas quais o anterior presidente do conselho fiscal abandonou funções. O senhor azevedo confunde o poder executivo com o poder que fiscalizada e é por isso que se dá ao desplante, qual Erdogan da Quinta das Conchas, de "mandar" o CF expulsar este e aquele sócio.

5º O Sr. azevedo padece de uma síndrome obsessivo-compulsivo em manter o seu modo de vida e para isso fará literalmente tudo o que puder para não o perder. Inclusive difamar, falsificar, inventar, mentir e ser o hipócrita permanente que realmente é.

6º Entendo que neste momento estão mais que reunidas as condições para que o Sr. Azevedo de Carvalho, atentas às comprovadas e reiteradas infrações disciplinares, seja ele próprio alvo de um processo disciplinar que eventualmente resulte na sua expulsão de sócio do clube e no afastamento das funções que, por inerência exerce.

Para tal irá ser, no mais curto de espaço de tempo possível, elaborada a competente participação, não só disciplinar, mas também, nos casos em que assim a Lei determinar, aos tribunais civis, atento os factos apurados que configuração atos penalmente relevantes.

Pretendo assim não batizar qualquer boi mas sim responsabilizar quem deve ser responsabilizado pelos atos que têm vindo a cometer.

7º Por último, refiro que compreendo o afã do senhor azevedo em afastar do clube todos aqueles que não obedecem à linha do "pensamento único", o tal pensamento que lhe permite auferir os elevados ganhos que aufere sem qualquer inspeção apurada. No entanto, e agora a ele me dirijo porque a coragem de falar olhos nos olhos ficou no seu tio-avô, muito provavelmente será primeiro ele expulso de sócio do clube do que eu.

Lisboa, 17 de abril de 2017

Paulo Pereira Cristóvão

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt
Share on Google Plus

Sobre Smile Brain

Portal de informação diária relacionada com o Sporting Clube de Portugal. Artigos, Reportagens e Exclusivos relacionados com a maior potencia desportiva nacional.