André Martins e o derby:«Aposto num 2-0 com um golo do Bas Dost e outro do Adrien»

Foram rivais em Lisboa e continuam atentos ao que se passa por cá. André Martins e Óscar Cardozo defrontaram-se em alguns dérbis lisboetas, mas agora vestem a camisola do Olympiakos. Estão a um ponto de se sagrarem campeões na Grécia, e isso pode acontecer já no domingo, mas antes há Sporting-Benfica e por isso vão «voltar» a ser rivais.


Eram rivais, agora colegas: Martins e Cardozo ainda vivem o Dérbi

Dérbi é dérbi e… é-o em todo lado!


Em qualquer canto do mundo haverá, no próximo sábado, alguém a olhar para uma televisão ou para um computador a acompanhar o Sporting-Benfica, jogo determinante nesta reta final do campeonato português.

É dia de «dérbi eterno», acompanhado além-fronteiras por muitos emigrantes e por adeptos e jogadores que passaram por Portugal, especificamente os que representaram estes dois clubes.

O Maisfutebol olhou para o mapa e apontou para Atenas, mais propriamente para o Pireu. Lá, no plantel do Olympiakos, haverá dois companheiros que por hora e meia serão novamente rivais e entrarão no espírito de outros tempos.

Em estágio, porque no domingo jogam para serem campeões gregos, o «emigrante» André Martins estará lado a lado com o «antigo português» Óscar Cardozo, ambos desejosos de ver o outro triste passado noventa minutos.

Quanto ao vencedor e à melhor equipa, os dois estão em desacordo, naturalmente, mas concordam no carácter «especial» deste encontro.

«São jogos especiais, em que todos os jogadores querem ser titulares ou pelo menos entrar. Independentemente da classificação e do momento de cada equipa são sempre encontros muito emotivos, dentro e fora de campo, e de resultado imprevisível», disse o médio.
    
«Sporting-Benfica ou Benfica-Sporting são sempre jogos lindos de jogar. Desfrutei muito deles. Recordo-me bem desses jogos porque eram sempre especiais. Tive a sorte de marcar muitos golos e de vencer muitos deles. Para mim foi sempre muito bom jogar contra o Sporting. Destaco o jogo em que marquei três golos em Alvalade», salientou Cardozo.

Esse hat-trick em 2012, num triunfo por 3-1 na casa do leão, é uma das boas memórias do Tacuara do dérbi, sendo o paraguaio o melhor marcador estrangeiro da história do mesmo, com 13 golos em 19 jogos.

Perdeu apenas três, todos em Alvalade curiosamente, e este registo de triunfos (11) talvez o leve a dizer, após um desafio de preferência entre clássico com o FC Porto e dérbi, que frente aos verde e brancos se sentia «mais cómodo».

«São jogos diferentes, ambos bons, mas diferentes. Para mim era mais difícil jogar contra o FC Porto porque, na minha altura, apanhei centrais mais fortes. Sentia-me mais cómodo a jogar contra o Sporting.»

André Martins jogou apenas cinco dérbis e não venceu nenhum, tendo em quatro deles Cardozo do outro lado da barricada: «Nesses jogos apanhámos boas equipas do Benfica, mas houve outros fatores também. Recordo-me de um jogo na Luz em que perdemos por 2-0 com muita polémica. Fizemos um bom jogo, mas acabamos por perder. É o futebol.»

O ex-leão, ao contrário de Cardozo, dá preferência a este jogo: «Sempre gostei mais de jogar contra o Benfica do que contra o FC Porto. A rivalidade é maior. São da mesma cidade e os maiores rivais do futebol português.»

Na primeira volta do campeonato, os encarnados venceram na Luz por 2-1 e na última época cada conjunto venceu um dos jogos, para a Liga, com o Sporting a vencer no ninho da águia e o Benfica a vencer na toca do leão.

Terá o fator casa importância extra nestes jogos?

André Martins: «Jogar em casa é sempre melhor. O fator casa é sempre muito importante e nesses jogos, pelo que se passa nas bancadas, mais ainda. Por vezes, os adeptos conseguem mesmo fazer a diferença, mas num dérbi qualquer equipa pode ganhar. O Sporting tem apenas essa ligeira vantagem.»

André falou também da preparação para o duelo e este tem sido envolto em polémicas e até acusações de parte a parte. Nada disto afeta os jogadores, garante.

«Isso passa ao lado. Conheço bem a equipa do Sporting e sei que está focada apenas no jogo. Tenho acompanhado as polémicas e o que se tem passado, mas não acredito que os jogadores fiquem afetados com isso», explicou André Martins, um conhecedor de quase todo o plantel leonino, já que saiu apenas no final da última temporada do Sporting.


Em caso de triunfo, o Sporting salva a época?

André Martins: «Não vejo as coisas por esse prisma, não se salva uma época por se ganhar um dérbi. O Sporting é uma equipa grande que luta por títulos e o principal objetivo é esse. O que acontecer depois é indiferente para o Sporting, mas sabemos que se ganhar e o FC Porto não perder nesta jornada o campeonato fica totalmente em aberto.»

André Martins e Cardozo estão agora num país em que o futebol também é vivido de forma apaixonante, intensa e com uma rivalidade que muitas vezes ultrapassa os limites e passa a violência e clima de terror.

André Martins refere isso e diz que os jogadores muitas vezes sentem essa atmosfera «agressiva»:

 «Os dérbis são sempre os melhores jogos de qualquer campeonato e o Sporting-Benfica mexe muito [com os jogadores] e tem sempre um ambiente incrível, mas o jogo entre o Olympiakos e o Panathinaikos, em termos de ambiente, é, digamos, mais agressivo. Aqui os adeptos, às vezes, até tornam o jogo perigoso para os jogadores.»

Cardozo partilha da opinião: «O de Lisboa está à altura de qualquer outro pela rivalidade que há, o ambiente varia depois consoante a forma como o país vive o futebol. Aqui torna-se mais agressivo nas bancadas, mas ambos são muito intensos.»

Os dois esperam que no sábado tudo corra de forma normal e que haja espetáculo dentro das quatro linhas. Estarão em estágio à hora do Sporting-Benfica, já que no domingo jogam em casa frente ao PAS Giannina e apenas precisam de um ponto para se tornarem campeões gregos, e não vão perder o dérbi.

Pedimos então aos dois o prognóstico e os nomes de quem vai decidir o Clássico e aqui surgem as diferenças.

André Martins atira: «O Sporting, espero. Aposto num 2-0 com um golo do Bas Dost e outro do Adrien.»

Cardozo aposta num grego ex-Olympiakos: «Ganha o Benfica 3-1, com hat-trick do Mitroglou.»


Para além de melhor marcador estrangeiro da história dos dérbis, o Tacuara é o melhor marcador estrangeiro da história do Benfica (171), com larga vantagem para Magnusson (87) e… Jonas (81). O brasileiro está a seis golos do sueco, já quebrou a barreira de marcar ao FC Porto, mas continua sem marcar ao Sporting.

«Não marcou ao Sporting, mas tem marcado muitos golos e já provou que é um belíssimo avançado. Ele e o Mitroglou. Não é por não marcar ao Sporting que não tem tanto valor», afirmou Cardozo.

Dos 13 golos que o antigo avançado do Benfica marcou ao Sporting apenas um não foi a Rui Patrício (foi marcado a Tiago). Podemos dizer que é especialista a marcar ao guarda-redes leonino. Será que tem algum conselho para dar a Jonas e Mitroglou?
«(risos) Não, apenas que estejam tranquilos e que façam o jogo deles com normalidade. Se o coletivo estiver bem, vão certamente marcar.»

Os dados estão lançados e agora resta esperar pelas 20h30 de sábado para ver a bola rolar e confirmar qual a aposta mais certeira. Se Bas Dost e Adrien levam Alvalade à loucura ou se Mitroglou gela Alvalade e coloca o Benfica mais próximo do tetracampeonato.

Por Luís Castro Martins\Maria Gomes de Andrade
@Maisfutebol.iol.pt
Share on Google Plus

Sobre Cortina Verde

Portal de informação diária relacionada com o Sporting Clube de Portugal. Artigos, Reportagens e Exclusivos relacionados com a maior potencia desportiva nacional.

0 comentários: