Leonardo Ruiz: "Chegar ao nível de Bas Dost? Posso sim senhor"

Leonardo Ruiz, avançado colombiano que se encontra em Portugal há três anos, é o entrevistado desta segunda-feira do Desporto ao Minuto, onde fala da sua passagem pelo FC Porto B, do que correu mal com João de Deus e da sua veia goleadora na presente temporada.


Leonardo Ruíz, de apenas 20 anos, chegou a Portugal há três anos para representar as cores do FC Porto, por empréstimo do Atlético Nacional. No entanto, os dragões não chegaram a acordo para a transferência a título definitivo, tendo este acabado por rumar ao Sporting.

Em entrevista ao Desporto ao Minuto, o avançado colombiano assegura que, apesar das dificuldades passadas pela equipa B dos leões no início da temporada, nunca se arrependeu da escolha tomada.

Com os olhos postos no futuro, Leonardo Ruiz promete tudo fazer para "chegar à equipa A", onde já espera aprender com Jorge Jesus e Bas Dost.

Desde que João de Deus abandonou o cargo, os resultados têm sido diferentes, mas a equipa é a mesmaApós um ciclo complicado, o Sporting B está numa série de cinco vitórias consecutivas. Como é que a equipa se sente neste momento?

Estamos muito motivados e contentes. A equipa encontrava-se numa posição muito delicada, mas esteve sempre junta e acreditou sempre. Agora, estamos no lugar onde estamos [12.º] e queremos chegar ainda mais longe.

A equipa passou por momentos complicados, esteve 13 jogos consecutivos sem vencer. Foi um momento difícil?

As coisas não nos corriam bem e a sorte não estava a nosso favor, mas o importante é que acreditámos sempre, mostrámos a nossa convicção perante os adversários e conseguimos reverter a situação

Que explicação encontra para esse período negativo?
Já passou, foi uma fase de aprendizagem para nós e foi muito importante. Agora, a ideia é continuar com o bom trabalho e neste bom caminho. Temos um bom grupo, um plantel muito unido e isso foi o mais importante nos momentos difíceis, é aí que se vê as grandes equipas.

A saída de João de Deus acabou por ser inevitável?

É verdade que, desde que o ex-treinador abandonou o cargo, os nossos resultados têm sido diferentes. Mas a equipa é a mesma e temos trabalhado da mesma forma. O novo técnico [Luís Martins] trouxe novas ideias para a equipa e, para além disso, temos jogadores de qualidade, um culminar de coisas que nos ajudou a colocar-nos num lugar confortável na tabela classificativa. Ainda assim, tenho de agradecer ao treinador João de Deus por tudo o que fez pela a equipa B do Sporting e desejo-lhe muito sorte para o seu próximo projeto.

Como é que o mister Luís Martins conseguiu recuperar a equipa tão rapidamente?


Tem uma metodologia de jogo e de treino um pouco diferente. Estamos à disposição do treinador no que ele precisar. Temos de dar o nosso máximo e continuar a mostrar serviço.

Que diferenças encontra entre os dois treinadores?


São treinadores com estilos de jogo distintos, um é mais de posse e o outro prefere um jogo mais de transições.

No último ano foi campeão da II Liga, este ano teve de lutar para deixar os lugares de despromoção. Alguma vez sentiu que poderia não ter feito a melhor escolha?


Acredito muito em Deus, e ele põe-me no caminho certo. Se me pôs aqui é porque era aqui que ele queria que ficasse, portanto vou fazer de tudo para representar o clube da melhor maneira possível.

O Leonardo também passa por um bom momento, leva três golos nos últimos quatro jogos. Ao todo, leva dez golos, mais um do que na época passada. Sente-se completamente adaptado ao futebol português?

Já me sinto bem adaptado ao futebol português, já passaram três anos desde que cheguei a este país. Desde início, foquei-me na ideia de que queria adaptar-me o mais rápido que conseguisse. Para além disso, tento de tudo para marcar golos, é a minha verdadeira felicidade.

Quais foram as principais dificuldades que sentiu quando chegou da Colômbia?


Tive de criar o hábito de me deitar cedo [risos] e, principalmente, a intensidade dos treinos que há nos clubes português. Também é muito importante descansar bem. Além disso, os jogo em Portugal têm muita movimentação, enquanto que na Colômbia é mais caraterístico usar-se a força e a potência. Não foi difícil adaptar-me à comida portuguesa, que é boa!

Chegou muito jovem a Portugal. A nível pessoal, foi difícil ter de deixar amigos e família para trás?


Senti muito a falta da família, que é muito importante para mim, e, como sou filho único, ainda é mais difícil ‘abandonar’ a casa onde cresci. Mas, com os sacrifícios e obstáculos que a vida me coloca, eu vou conseguir sacar os 'frutos'.

Esteve duas épocas no FC Porto e jogou contra o Sporting nos juniores e na II Liga. Alguma vez imaginou que podia acabar a jogar pelo Sporting?

Não, nunca imaginei. Tinha a noção que o Sporting era um grande clube e uma grande instituição e, agora que aqui estou, estou muito contente. No FC Porto também fui feliz mas o Sporting abriu-me as portas, é um grande clube, e quero mostrar as minhas qualidades nesta instituição.

A Academia de Alcochete é apontada como um exemplo a nível mundial. O Leonardo vive a Academia por dentro, comprova que está a esse nível?

Têm uma excelente academia, eu gostava de ter vindo para aqui desde pequenino. Formou grandes jogadores e tem umas condições invejáveis, tenho de dizer que estou mesmo impressionado com a Academia de Alcochete. Aqui respira-se e vive-se futebol… é mesmo futebol por todo o lado [risos].

Que jogadores mais o impressionaram na equipa B do Sporting?

Gosto muito do Ivanildo Fernandes, acho que é um excelente defesa-central, e do Edu Pinheiro, que para mim é um grande jogador. Mas tenho um grande apreço por todo o plantel do Sporting B, é uma equipa muito trabalhadora e tenta dar o seu máximo em todos os jogos.

É um jogador jovem, de um país que tem produzido muitos talentos, já jogou no FC Porto e está atualmente numa das melhores Academias do mundo. Por tudo isso, sente que os adeptos esperam muito de si?

Consigo lidar com isso. Aliás, fico muito contente quando reconhecem o meu valor como jogador e, principalmente, quando as pessoas ficam satisfeitas com o meu trabalho no clube. A ideia é continuar o meu caminho e dar alegrias aos adeptos.

Está aqui emprestado pelo Atlético Nacional, o objetivo é continuar na próxima temporada?

Para mim era importante continuar neste clube, é aqui que quero construir o meu caminho como futebolista e espero, acima de tudo, que seja o começo de algo muito bom.

Tem sido apontado como um dos jogadores que poderá fazer a pré-época com a equipa principal. Sente-se preparado para esse desafio?

Claro que sim. Se o mister Jorge Jesus me chamar para a pré-época, vou para lá com a maior felicidade, com muita personalidade, mas com os pés assentes na terra para este novo desafio.

Identifico-me com Bas DostCostuma falar com Jorge Jesus?


Às vezes treino com a equipa principal e troco algumas palavras com o treinador Jorge Jesus, mas tento é desfrutar os momentos e tentar mostrar a minha qualidade ao técnico.

Que imagem tem do treinador?

É um treinador forte, que gosta de fazer um trabalho bastante sério e eu gosto muito de ver isso num treinador de futebol. Se treinar com ele, acredito que vai correr tudo bem [risos].

Jorge Jesus é conhecido por potenciar o talento dos jogadores. Está entusiasmado em trabalhar com ele?

Claro que sim, estou a trabalhar arduamente e bem para, quando o mister Jorge Jesus me chamar, estar preparado para o desafio.

O Bas Dost chegou esta temporada e leva 26 golos em 33 jogos. É um jogador com quem pode aprender?


Bas Dost é um excelente avançado, toda a gente sabe disso, e, se tiver oportunidade de trabalhar com ele, seria muito bom para mim, aprenderia muitas coisas boas.

A Colômbia tem um outro avançado, o Falcao, que também tem estado a grande nível. Por Portugal também já passaram colombianos como Teo Gutiérrez, Fredy Montero ou Jackson Martínez.Sente que tem potencial para dar continuidade a esse legado?

Foram e são grandes jogadores colombianos. Sigo os seus jogos e as suas carreiras são muito inspiradoras para mim. A minha ideia é representar o meu país, chegar o mais alto possível, tentado fazer o que eles fazem ou ainda melhor.

Com que jogador mais se identifica?

Identifico-me com o Bas Dost, familiarizo-e com as suas movimentações em campo, principalmente quando recebe a bola e, na área, mostra um grande poder de finalização.

E acha que pode chegar a esse nível?

Acho que posso, sim senhor.

Quais consideras que são os seus pontos fortes enquanto jogador?
Ser forte na finalização, principalmente na área e no jogo aéreo, estar sempre a comunicar os colegas de equipa e ter visão de jogo.

Quais são os seus planos para o futuro?

O meu primeiro grande objetivo é tentar chegar à equipa A, para isso tenho lutado muito e dado o meu máximo para que, quando aparecer essa oportunidade, eu consiga singrar.

Por Luís Moreira com Carlos Pereira Fernandes
© Global Imagens\Notícias Ao Minuto
Share on Google Plus

Sobre Smile Brain

Portal de informação diária relacionada com o Sporting Clube de Portugal. Artigos, Reportagens e Exclusivos relacionados com a maior potencia desportiva nacional.