Godinho Lopes para José Maria Ricciardi: «Porque é que não te candidatas?»

Ex-presidente esclareceu 'som' da gravação de 2013, denunciada por Madeira Rodrigues e desafia Ricciardi a avançar com uma candidatura à presidência.


A campanha eleitoral do Sporting conheceu no domingo o episódio que promete ainda dar muito que falar: a gravação de uma conversa entre José Maria Ricciardi, antigo presidente do BESI e do Haitong Bank Portugal, e Sikander Sattar, líder da KPMG.

No áudio com cerca de 12 minutos ouve-se Ricciardi, atual membro da Comissão de Honra da lista de Bruno de Carvalho, defender que a única solução para os leões seria a perda da maioria do capital social da SAD e que o presidente do Sporting deveria ter apenas um papel figurativo a nível de gestão.

Pedro Madeira Rodrigues acusou o atual líder leonino de "andar a vender o clube", tendo Bruno de Carvalho e Ricciardi acusado o candidato de "calúnias", já que a referida gravação era de 2013 e da era Godinho Lopes, que não gostou do que ouviu e escreveu uma carta aberta ao ex-administrador do BESI, que fez chegar ao DN.

Eis a carta aberta de de Godinho Lopes a José Maria Ricciardi:

"Só há uma verdade"

"Muito pensei e hesitei antes de decidir intervir em plena campanha eleitoral do Sporting Clube de Portugal. E isto porque me considero um indivíduo isento, que gosta muito do seu Clube e que naturalmente segue com atenção, ainda que à distância, este momento eleitoral.
Na verdade, desde cedo intuí que não me surpreenderia com o facto de que qualquer um dos candidatos falasse de mim ou usasse indevida ou abusivamente o meu nome. Afinal, já mesmo fora do contexto deste processo eleitoral foram a meu respeito proclamadas calúnias que, a seu momento e no devido local, os tribunais, esclarecerão os Sportinguistas e o público em geral sobre a verdade.
Posto isto, o que me levou a escrever estas palavras é, por um lado, a revelação de uma gravação; e, por outro, a invocação do meu nome por parte de José Maria Ricciardi num tom e numa linguagem que considero, no mínimo, ligeiros e abusivos.


Já muita gente irresponsável me destratou na televisão do Sporting e em outros meios de comunicação social. Mas sim, é gente irresponsável e sobre a qual não nutro qualquer respeito - tenha essa gente o lugar que tiver no clube... Gente que se considera maior do que o Sporting e que, por uma estrita questão de ego, acredita estar acima do Clube. Mas essa gente simplesmente ignoro-a e não dou resposta.


No entanto, crendo ainda ser José Maria uma pessoa de bem, entendo deve repor a verdade em duas frentes:


- sobre a gravação, ouvi com atenção, telefonei a Sikander Sattar (pessoa em que acredito) e fiquei sem dúvidas de remontar a 2013. Não posso deixar de criticar veementemente a forma como se grava uma "reunião" e se usa a mesma, como se os presentes tivessem sabido e concordado na sua divulgação. Sobre o conteúdo, seguramente, quem esteve presente explicará;


- no que se refere ao propalado Plano de Reestruturação, não é natural que José Maria Ricciardi, embora não participando nas reuniões, ignorasse que se fizeram em 2012 e nos princípios de 2013. Embora Sportinguista dos "quatro costados", mas isso somos todos, prejudicou e sobremaneira o Clube pelas suas atitudes de querer controlar os candidatos. E não gostei das afirmações que ouvi.
José Maria "empurrava" Sikandar Sattar (e este sim, deu a cara vezes sem conta pelo Clube) para que convencesse os bancos a ajudar o Sporting. E também é verdade que José Maria me apoiou depois e que me acompanhou nas reuniões do Conselho Directivo.


Mas também no seu modo de querer controlar, recordo que Daniel Sampaio, em entrevista ao Diário de Notícias, revelou jantares com Eduardo Barroso nos quais diz que José Maria o incitava a ser Presidente - quando eu ainda era o Presidente. E já fora assim em 2009, com José Eduardo Bettencourt, quando se hesitava entre este actual administrador do Novo Banco e Eugénio Dias Ferreira como candidatos.
Não foi assim comigo pois, quando me pediu para ir a uma reunião, no início de 2011, convencido de que me iria condicionar, tratei de, taxativamente, o informar de que seria candidato às eleições.
Caro José Maria, bem sabes que a Reestruturação financeira estava pronta. Pronta, mas não por ti nem contigo. Pronta, sim, numa reunião final na KPMG, com os administradores dos dois bancos credores, Millennium e BES, Sikander Sattar e comigo.


Caro José Maria, quem salvou o Sporting foram os Sportinguistas, não algum Salvador ou milagre.
O tempo encarregar-se-á de repor a verdade e não é por tantas vezes invocares o meu nome que o "milagre" se vai fazer.


Cumprir com os bancos no primeiro ano não foi obra de um grande gestor, foi obrigação, para sobreviver. A partir daí basta olhar para as contratações e o desatino total.


Agora, caro José Maria, tanta preocupação e interesse, para mais consubstanciados ao longo de tantos anos de intervenções na sombra, não crês que estaria na altura de te candidatares e de, assim, demonstrares o teu amor, que conheço, pelo Sporting Clube de Portugal? E demonstrares que, como eu, não precisarias de te servir do Clube nem do Clube para viver? Ou será que nunca o farás por teres a perfeita noção, por fora claro, dos prejuízos pessoais, familiares, económicos, empresariais e de imagem que tal decisão acarreta - como em mim acarretou?


Sabes bem que o Sporting está acima de mim e que eu, por ele, me tenho mantido calado. Mas quando falam de mais de mim e me destratam de forma vil e mentirosa, não me calo. Nem hoje, nem nunca!"


Foto: Filipe Amorim/Global Imagens
@DN.PT
Share on Google Plus

Sobre Smile Brain

Portal de informação diária relacionada com o Sporting Clube de Portugal. Artigos, Reportagens e Exclusivos relacionados com a maior potencia desportiva nacional.