Assembleia Geral quer punir "difamações"

Jaime Marta Soares disse na Sporting TV que “não podem passar impunes” e segue-se inquérito interno


A denúncia feita por Victor Espadinha sobre um alegado documento da SAD que referia "dinheiro autorizado" entre Bruno de Carvalho e um suposto primo vai dar origem a um processo de inquérito interno e pode, no limite, custar ao músico a perda do estatuto de sócio do Sporting, após análise do Conselho Fiscal e Disciplinar.

Como Record noticiou ontem, o documento em causa é uma procuração da SAD, que permitia a Alexandre Godinho, vogal da direção, agir na ausência dos administradores, em agosto de 2014. Alexandre Godinho não tem qualquer grau de parentesco com Bruno de Carvalho. No dia das eleições, Espadinha reportou o tema como uma "bronca" que Pedro Madeira Rodrigues, candidato derrotado, não terá pretendido "enviar para o DIAP".

Na sequência destes acontecimentos, embora sem nomear qualquer situação em concreto, Jaime Marta Soares foi à Sporting TV prometer medidas. "Longe de mim pensar que haverá uma caça às bruxas, mas há difamações que não podem passar impunes e houve coisas que foram ditas extremamente graves e ofensivas, de forma sub-reptícia, a querer deixar suspeição. Estes casos de suspeição, comigo, não poderão ficar sem ser esclarecidos. O presidente da mesa da assembleia geral tem de saber tudo o que seja importante para clarificar e defender a dignidade e a honorabilidade do nosso clube", disse o responsável máximo da AG.

"Sou pela conciliação, pelo entendimento, estarei sempre qual bombeiro voluntário à procura de apagar os fogos que possam surgir. É a minha forma de estar na vida e assim estarei no Sporting. Mas também gostaria de dizer às vozes da maledicência, da difamação, da ofensa que arrepiem caminho, que isso não é o que desejamos para o Sporting e a prova foi dada pelos sócios. Deixem os órgãos sociais trabalhar em paz, porque se o fizerem os resultados vão aparecer", acrescentou Marta Soares.

Orgulhoso com o recorde de votantes e a "lição de comportamento cívico", Marta Soares defende que as eleições de sábado "definiram claramente quem é que os sócios queriam para governar o Sporting por mais quatro anos mas, acima de tudo, quem não queriam". "Imaginem se estivéssemos em 1.º lugar no futebol. Não havia opositores a Bruno de Carvalho", concluiu o presidente da MAG, certo de que foi rejeitado o "aventureirismo".

Autor: Vítor Almeida Gonçalves
Foto: Pedro Ferreira
@Jornal Record
Share on Google Plus

Sobre Unknown

Portal de informação diária relacionada com o Sporting Clube de Portugal. Artigos, Reportagens e Exclusivos relacionados com a maior potencia desportiva nacional.