Sporting já está a poupar para não perder maioria na SAD

André Varela, director financeiro, afirma que o clube já está a pôr de parte dinheiro para recomprar ao BCP e ao Novo Banco parte da dívida convertível em acções. E diz que o aumento dos custos com o plantel é sustentável.


O plano de reestruturação financeira do Sporting obrigou à emissão de 135 milhões de euros em valores convertíveis em acções que ficaram na mão dos credores, o BCP e o Novo Banco. Se parte deles não for recomprada, o clube perderá o controlo do capital da SAD.

André Varela, director financeiro do grupo, garante ao Negócios que já está a ser posto dinheiro de parte para assegurar que isso não acontece.

Após a reestruturação do passivo negociada com os bancos, o clube de Alvalade ficou com 64% do capital. Mas pode perder a maioria, se até 2024 não exercer a opção de recompra de parte dos valores mobiliários obrigatoriamente convertíveis (VMOC) em acções.

"Está do nosso lado arranjarmos o dinheiro suficiente para nessa ou numa data anterior exercer essa opção. E já estamos a fazer poupanças nesse sentido, a reservar dinheiro para essa aquisição", revela André Varela, que assumiu o cargo em Setembro, depois de ter feito parte da equipa de auditores do clube (PwC) a partir de 2013. "O que teve por base a reestruturação negociada por esta administração foi manter a maioria do capital."

"O ‘trigger’ do pagamento de juros é a distribuição de dividendos, o que só é possível quando os resultados transitados são positivos." André Varela, Director financeiro do Sporting

As condições da reestruturação prevêem que o BCP e o Novo Banco só recebam juros, a uma taxa de 4%, se a SAD tiver resultados transitados positivos. O que dificilmente acontecerá nos próximos anos, tendo em conta que em Setembro esta rubrica apresentava um resultado negativo de 226,4 milhões.

"O ‘trigger’ do pagamento de juros é a distribuição de dividendos, o que só é possível quando os resultados transitados são positivos", esclarece André Varela. "Ainda não existe essa expectativa de a SAD ter resultados transitados positivos."

As contas consolidadas do clube relativas ao exercício 2015/2016, o primeiro completo depois da reestruturação, terminou com um prejuízo de 8,3 milhões de euros. O aumento das receitas foi insuficiente para compensar o crescimento de 90% nos custos com pessoal, para quase 50 milhões de euros, fruto do investimento no plantel.

André Varela desvaloriza. "Este crescimento de custos é sustentado, porque temos todas as linhas de receitas a crescer." O director financeiro destaca o aumento das receitas com direitos televisivos – "triplicam" – após o contrato de 515 milhões com a Nos, por 12 anos. E a presença em duas das últimas três edições da Liga dos Campeões. O director financeiro justifica ainda o resultado com a opção de vender João Mário e Islam Slimani em Agosto, o que valeu à SAD os melhores resultados trimestrais de sempre: 63 milhões de euros.

O mau desempenho desportivo esta época – o clube já só joga o campeonato – ditou um "ajustamento relevante" nos custos, garante André Varela. No mercado de Inverno saíram Elias, André Filipe, Markcovic, João Pereira, Tanaka e Marcelo Meli e entraram apenas jogadores da formação. "Quando sabemos que as coisas não estão a correr tão bem, tentamos ajustar para serem sustentáveis."

@André Veríssimo averissimo@negocios.pt
Foto: Miguel Baltazar
Share on Google Plus

Sobre Smile Brain

Portal de informação diária relacionada com o Sporting Clube de Portugal. Artigos, Reportagens e Exclusivos relacionados com a maior potencia desportiva nacional.